23 de Fevereiro de 2018 | SOBRE ESTE BLOG
Segunda-Feira, 04 de Dezembro de 2017, 15h:40
Tamanho do texto A- A+

Artigos / LUCAS RODRIGUES

Por que apoiamos Gagliasso e não Taís?

LUCAS RODRIGUES

 

Nas últimas semanas, dois eventos envolvendo racismo viraram notícia e causaram polêmica não só pelos fatos em si, mas pela solidariedade distinta dada pela sociedade a cada um deles.

 

Um dos eventos ocorreu após uma dita socialite chamada Day Mcarthy ofender Titi, filha do casal de atores Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank, uma criança negra de apenas quatro anos. Gagliasso registrou queixa-crime e o apoio a ele foi praticamente unânime.

 

Já a segunda situação trata-se de uma fala da atriz Taís Araújo, lamentando o fato de viver em uma sociedade em que as pessoas mudam de rua por conta da cor do filho dela, que é negro. A situação narrada por ela, apesar de notoriamente comum, foi alvo de ridicularização e piadas grosseiras na internet, além de ser classificada como “vitimismo.

 

O abismo existente entre a parcial solidariedade dada a Taís Araújo com o unânime apoio recebido por Bruno Gagliasso chamou a atenção. Muitos atribuíram esse fenômeno a questões de gênero e cor. 

 

Em uma sociedade racista e machista, não chega a ser estranho que um homem branco tenha mais voz e crédito que uma mulher negra. É possível – e bem provável – que esses atributos tenham tido algum peso em tudo isso, como tem peso em várias situações do cotidiano. Mas o buraco é bem mais embaixo.

 

A diferença do tratamento dado aos dois atores passa longe das complexidades de gênero e cor. A palavra-chave é bem mais simples: hipocrisia e racismo velado.

 

Na primeira situação, a racista tem nome e sobrenome, poucos a conheciam, e a ofensa é direta. É muito fácil e cômodo para todos nós apontarmos o dedo para a dita cuja e a culparmos pelo ato, até porque ‘não temos nada a ver com isso e repudiamos esse tipo de coisa’.

 

Pesquisa feita pelo IBGE em 2011 identificou que 97% dos brasileiros diz não ter qualquer tipo de preconceito de cor, mas, ao mesmo tempo, afirmam que conhecem alguém que tem. Não é difícil concluir que vivemos em uma realidade paradoxal neste país, em que só o outro é preconceituoso, nós não, jamais. 

 

Esta mentira deslavada que demos ao IBGE cai como uma luva para explicar a falta de solidariedade com a Taís Araújo. Ela não culpou uma pessoa específica pelo preconceito contra o filho dela, assim como pelo preconceito contra os filhos de outras milhões de mulheres negras, mas culpou a todos nós enquanto sociedade.

 

E sabe porque ela foi ridicularizada? Por que além de falar uma verdade explícita, O CHAPÉU SERVIU. Serviu em mim, serviu em você que está lendo e em todos os que fizeram piadas de mau gosto contra ela. Taís Araújo não nos deu alguém para culpar ou para podermos convenientemente apontar o dedo e fingir que não é com a gente. Ela apenas falou de forma simples, precisa e didática aquilo que sempre soubemos e que escolhemos ignorar.

 

Taís Araújo teve a sua fala menosprezada porque jogou a verdade na nossa cara. E a reação natural do ser humano ao se sentir atacado é contra-atacar. Fizemos isso tentando desqualificá-la com falácias e piadas que, inclusive, acabaram por ilustrar exatamente aquilo que ela denunciou: nosso racismo velado e indireto. 

 

As situações envolvendo Bruno Gagliasso e Taís Araújo repetiram o paradoxo da pesquisa do IBGE. Repudiamos (ou fingimos repudiar) o racismo do outro, mas negamos até a morte que façamos o mesmo, especialmente quando ninguém o flagrou.

 

LUCAS RODRIGUES é jornalista e escritor em Cuiabá.

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Taques afirma que tentam fazer "briga" entre ele e Pinheiro

Com problema em caixa, MP corta auxílio livro para promotores

Leitão e Fávaro deverão disputar o "espólio" político de Blairo

Blairo vai informar sobre desistência na próxima segunda

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Prefeito Emanuel Pinheiro, deixe que os educadores trabalhem

VEJA MAIS

ARTIGOS

E os russos?

Por: RODRIGO RODRIGUES

Verdade x Vergonha

Por: GRACI MIRANDA

Foro privilegiado

Por: LUIZ FLÁVIO GOMES
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Mauro irá filiar-se em março e depois decidir sobre candidatura ao governo
  2. Foragido do Gaeco/MG, dono de posto em Chapada é preso em MT
  3. CGE recomenda que Detran extinga imediatamente contrato com empresa
  4. Justiça dá 15 dias para Prefeitura de Cuiabá reformar Posto do Jardim Leblon
  5. Silval Barbosa irá depor nesta sexta-feira sobre pagamento de propina

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL