25 de Fevereiro de 2018 | SOBRE ESTE BLOG
Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017, 10h:51
Tamanho do texto A- A+

Coluna do Antero / VIVA A GRAMPOLÂNDIA!

Taques ataca Perri e defende suspeitos de grampos

Antero Paes de Barros

 

O governador Pedro Taques encerrou a caravana da integração que estava acontecendo em Juara e retornou rapidamente a Cuiabá para defender mais um secretário afastado – desta vez Rogers Jarbas da Segurança Pública – e condenar os atos praticados pelo desembargador Orlando Perri.

 

O governador Pedro Taques fez as seguintes considerações:

 

- Todas as decisões do desembargador Perri contra os militares do seu governo acusados de grampos e contra Paulo Taques e Rogers Jarbas foram parciais.

 

- Todos os militares denunciados, afastados e presos, suspeitos de praticarem grampos são pessoas sérias, honestas e decentes.

 

- O desembargador Orlando Perri está participando das investigações e por isso não pode julgar.

 

- O Ministério Público, titular da ação penal não concordou com a ação e não pediu o afastamento do delegado.

 

- O Estado vai recorrer da decisão e vai processar Orlando Perri no Conselho Nacional de Justiça.

 

AS VERDADES QUE TAQUES NÃO QUIS FALAR

 

 

- Não foi o desembargador Orlando Perri quem determinou a prisão do Coronel Zaqueu, mas sim o juiz da área militar, Marcos Faleiros.

 

- HOUVE SIM PEDIDO DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA A PRISÃO DOS OUTROS MILITARES

 

- O próprio governo do Estado já admitiu que houve fraude no protocolo praticada por funcionários da Casa Civil, não estando ainda esclarecidos, a mando de quem. Essas fraudes visavam claramente obstruir a aplicação da justiça, pois era para impedir que se concluísse que o governador tinha sim o conhecimento dos grampos.

 

- O secretário José Adolfo é também suspeito de ter ordenado a fraude no protocolo.

 

- As investigações não estão sendo feitas pelo desembargador Orlando Perri e sim pelas delegada Ana Cristina Feldener e pelo delegado Flávio Stringueta anteriormente. É sim papel constitucional da polícia judiciária civil e federal fazerem investigações.

 

- O governador Pedro Taques deixou de explicar que o Código de Processo Penal em seu artigo 282 § 2º estabelece: “As medidas cautelares serão decretadas pelo juiz, de ofício ou a requerimento das partes ou, quando no curso da investigação criminal, por representação da autoridade policial ou mediante requerimento do Ministério Público. PORTANTO, NÃO HÁ QUALQUER EXIGÊNCIA À PRÉVIA CONCORDÂNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO”.

 

Comentário meu: A aula de Pedro Taques – e reconheça-se ele é brilhante professor – ficou pela metade. Aliás não deveria ter encerrado sua caravana no interior para vir atacar o desembargador Perri. Das decisões cabem recursos e a beleza do duplo grau de jurisdição firma a certeza para os jurisdicionados da independência do poder judiciário.

 

 

Convenhamos, não é direito de ninguém, nem dos amigos do governador escolher quem serão seus juízes.

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Morre cinegrafista da velha guarda da imprensa local

Prefeita de Sinop se afastará do cargo em março

Arthur Virgílio desiste das prévias e critica Alckmin

Toffoli entrega voto do "foro privilegiado" no próximo mês

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Carlos Fávaro é uma confusão política ambulante

VEJA MAIS

ARTIGOS

Hospital Julio Müller

Por: ALFREDO MENEZES

Mudanças sim! Conformismo não!

Por: JUNIOR MACAGNAM

Truco

Por: EDUARDO PÓVOAS
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Ladrões levam celulares e alianças de jogadores na Arena Pantanal
  2. Silval revela que 7 deputados fizeram extorsão por acordo na AL
  3. Concessionárias elevam preços, mesmo sem cumprir contratos
  4. Blairo Maggi anuncia nesta segunda-feira se vai ou não disputar eleições
  5. Ex-governador vira conselheiro e afirma: não compensa errar

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL