25 de Fevereiro de 2018 | SOBRE ESTE BLOG
Segunda-Feira, 13 de Novembro de 2017, 11h:22
Tamanho do texto A- A+

Esportes / NA ARÁBIA SAUDITA

Dono de conglomerado que comprou amistoso da seleção é detido

JAMIL CHADE
DO ESTADÃO

 

O empresário dono do conglomerado que comprou por uma década os amistosos da seleção brasileira foi detido na Arabia Saudita, como parte de uma ofensiva generalizada do governo de Riad contra a corrupção em outros setores e por consolidar o poder da coroa saudita.

 

Saleh Kamel é o presidente e fundador do Dallah al Baraka Group, controlador da ISE, a empresa que em 2006 fechou um contrato polêmico com Ricardo Teixeira e obteve os direitos em todos os amistosos da seleção. 

 

Não há informações se a prisão do saudita tem relação com o futebol. Kamel, com uma fortuna avaliada em R$ 2 bilhões, faz parte dos mais de 200 empresários e príncipes sauditas detidos nos últimos dias, num gesto interpretado por críticos como uma manobra do governo e da coroa saudita para neutralizar qualquer tipo de oposição ao príncipe herdeiro. 

 

O ministério público saudita acusa esses empresários e príncipes de terem cometido crimes que poderiam envolver US$ 100 bilhões. Mas poucos detalhes foram revelados. 

 

Foi um dos aliados do fundador do grupo, Moheydin Kamel, quem assinou o primeiro acordo sigiloso com a CBF, de 2006, e revelado com exclusividade pelo Estado em 2013. Em 15 de novembro de 2011, esse contrato foi renovado por mais dez anos. Seu endereço: uma simples caixa postal em George Town, no paraíso fiscal das ilhas Cayman. 

 

Mas Mohyedin Kamel não seria apenas o gerente da ISE, e sim um dos vice-CEO da Dallah Al Baraka, empresa de Saleh Kamel. Ao longo de sua carreira, ele ocupou cargos estratégicos na empresa. 

 

Foi com base nesse contrato que o Ministério Publico da Espanha prendeu o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, e emitiu ordem de prisão contra Teixeira. A suspeita é de que o contrato permitia que cerca de 400 mil dólares fossem desviados aos dois dirigentes, sem que serviços legítimos fossem prestados. O dinheiro terminava em contas sigilosas em Andorra e o MP espanhol acusa tanto Rosell como Teixeira de fazer parte de uma organização criminosa transnacional. 

 

A empresa Pitch foi quem acabou herdando o contrato da ISE e passou a organizar os jogos da delação. 

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Morre cinegrafista da velha guarda da imprensa local

Prefeita de Sinop se afastará do cargo em março

Arthur Virgílio desiste das prévias e critica Alckmin

Toffoli entrega voto do "foro privilegiado" no próximo mês

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Carlos Fávaro é uma confusão política ambulante

VEJA MAIS

ARTIGOS

Hospital Julio Müller

Por: ALFREDO MENEZES

Mudanças sim! Conformismo não!

Por: JUNIOR MACAGNAM

Truco

Por: EDUARDO PÓVOAS
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Ladrões levam celulares e alianças de jogadores na Arena Pantanal
  2. Silval revela que 7 deputados fizeram extorsão por acordo na AL
  3. Concessionárias elevam preços, mesmo sem cumprir contratos
  4. Blairo Maggi anuncia nesta segunda-feira se vai ou não disputar eleições
  5. Ex-governador vira conselheiro e afirma: não compensa errar

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL