24 de Novembro DE 2017 | SOBRE ESTE BLOG
Segunda-Feira, 13 de Novembro de 2017, 11h:22
Tamanho do texto A- A+

Esportes / NA ARÁBIA SAUDITA

Dono de conglomerado que comprou amistoso da seleção é detido

JAMIL CHADE
DO ESTADÃO

 

O empresário dono do conglomerado que comprou por uma década os amistosos da seleção brasileira foi detido na Arabia Saudita, como parte de uma ofensiva generalizada do governo de Riad contra a corrupção em outros setores e por consolidar o poder da coroa saudita.

 

Saleh Kamel é o presidente e fundador do Dallah al Baraka Group, controlador da ISE, a empresa que em 2006 fechou um contrato polêmico com Ricardo Teixeira e obteve os direitos em todos os amistosos da seleção. 

 

Não há informações se a prisão do saudita tem relação com o futebol. Kamel, com uma fortuna avaliada em R$ 2 bilhões, faz parte dos mais de 200 empresários e príncipes sauditas detidos nos últimos dias, num gesto interpretado por críticos como uma manobra do governo e da coroa saudita para neutralizar qualquer tipo de oposição ao príncipe herdeiro. 

 

O ministério público saudita acusa esses empresários e príncipes de terem cometido crimes que poderiam envolver US$ 100 bilhões. Mas poucos detalhes foram revelados. 

 

Foi um dos aliados do fundador do grupo, Moheydin Kamel, quem assinou o primeiro acordo sigiloso com a CBF, de 2006, e revelado com exclusividade pelo Estado em 2013. Em 15 de novembro de 2011, esse contrato foi renovado por mais dez anos. Seu endereço: uma simples caixa postal em George Town, no paraíso fiscal das ilhas Cayman. 

 

Mas Mohyedin Kamel não seria apenas o gerente da ISE, e sim um dos vice-CEO da Dallah Al Baraka, empresa de Saleh Kamel. Ao longo de sua carreira, ele ocupou cargos estratégicos na empresa. 

 

Foi com base nesse contrato que o Ministério Publico da Espanha prendeu o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, e emitiu ordem de prisão contra Teixeira. A suspeita é de que o contrato permitia que cerca de 400 mil dólares fossem desviados aos dois dirigentes, sem que serviços legítimos fossem prestados. O dinheiro terminava em contas sigilosas em Andorra e o MP espanhol acusa tanto Rosell como Teixeira de fazer parte de uma organização criminosa transnacional. 

 

A empresa Pitch foi quem acabou herdando o contrato da ISE e passou a organizar os jogos da delação. 

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Justiça Federal absolve ex-presidente do Intermat

Governo desiste de mudar nomes de duas escolas no interior

Baiano propõe prioridade à saúde e deixe de pagar emendas

Unemat volta a fechar contrato com a Faespe

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Pedro Taques conseguiu algo espetacular para Mato Grosso

VEJA MAIS

ARTIGOS

Existe sempre uma fila

Por: RENATO NERY

Vencedores do preconceito

Por: GRACI MIRANDA

Falta pão, falta união

Por: ONOFRE RIBEIRO
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Jayme diz que escolha de Fábio Garcia para presidir DEM terá de ter consenso
  2. Juíza dá 72 horas para Estado se manifestar sobre cobrança de juros
  3. TV francesa aponta Maggi como político bilionário com reputação controversa
  4. Aprovação a Luciano Huck dispara e atinge 60%, mostra pesquisa
  5. AL promulga emenda constitucional que limita gastos públicos

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL