19 de Janeiro de 2018 | SOBRE ESTE BLOG
Segunda-Feira, 13 de Novembro de 2017, 15h:05
Tamanho do texto A- A+

Política / CONTROLE DE DESPESAS

Antes de deixar governo, Fávaro determinou reduções de até 30%

Só ficam de fora a SES, Sesp e Seduc, cujas desejas também ficarão condicionadas à autorização da Sefaz
SÍLVIA DEVAUX
DA REDAÇÃO

 

Antes da Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 10/2017, que limita os gastos do Executivo e demais poderes pelos próximos cinco anos e está em tramitação na Assembleia Legislativa o vice-governador Carlos Fávaro (PSD) enquanto governador em exercício assinou na sexta-feira (10) o decreto nº 1.258/2017 estabelecendo medidas de redução e de controle das despesas no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado.

 

O decreto foi publicado no Diário Oficial do Estado de sábado (11) e determina redução de 30% de gastos com com diárias e horas extras, 25% com telefonia e 10% no consumo de água, energia elétrica, aluguéis, limpeza  e outros contratos de despesas essenciais, além da suspensão das licenças e capacitacitações, novos concursos, contratos e consultorias. Só ficam de fora a Saúde (SES), Segurança Pública (Sesp) e Educação (Seduc).

 

A redução das despesas das secretarias e órgãos da administração estadual foi anunciada ainda no fim de outubro aos secretários e adjuntos. Àqueles "titulares das unidades orçamentárias que não atingirem as metas de economia definidas neste artigo estarão sujeitos a cortes de programas finalísticos de suas pastas para adequação às metas globais de economia estimadas”, diz o decreto.

 

As despesas de todos os órgãos governamentais, mesmo as áreas que ficaram de fora do pacote, ficarão condicionadas à autorização da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz/MT). As medidas são válidas pelos próximos 12 meses.

 

Como justificativa, Fávaro cita principalmente o problema de caixa e a crise pelo que passa o Estado que teve a receita pública frustrada em R$ 1,7 bilhão que somado à falta de repasses federais como o Auxílio Financeiro para Fomento a Exportações (FEX), por exemplo, que reoresentam queda de mais de R$ 500 milhões nas receitas correntes.

 

Confira anexo abaixo o decreto na íntegra

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Arquivo(s) anexado(s)

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Taques dispara: quem não fez nada errado, não teme

Governador nega recurso para Carnaval nos municípios

Petistas já fazem marchinha em apoio a Lula; ouça

Contas de Taques só serão analisadas em fevereiro

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Equívoco em acordo de extradição de Arcanjo foi erro do MPF

VEJA MAIS

ARTIGOS

Casa Barão de Melgaço sob constante ameaça

Por: ELIZABETH MADUREIRA SIQUEIRA

Em defesa do habeas corpus

Por: GILMAR MENDES

Lei de bloqueio de patrimônio

Por: VICTOR MAIZMAN
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Chineses escolhem cidade de MT para instalar empresa de drones
  2. Deputado diz que trabalha pela Capital e direciona emendas para os cuiabanos e a região metropolitana
  3. Silval critica Taques por atrasar salários e repasses apesar de arrecadação maior
  4. Aliados podem não renovar aliança política com Pedro Taques
  5. MP de Contas sugere instalação de impeachment contra Pedro Taques

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL