25 de Fevereiro de 2018 | SOBRE ESTE BLOG
Terça-Feira, 14 de Novembro de 2017, 10h:07
Tamanho do texto A- A+

Política / LIMITE DE GASTOS

Com substitutivo, PEC do Teto voltará para primeira votação na Assembleia

Botelho prevê que proposta seja aprovada agora no dia 7, fora do prazo para MT fazer parte do plano fiscal do governo Temer
SÍLVIA DEVAUX
DA REDAÇÃO

 

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 10/2017, que limita os gastos do Executivo e demais poderes pelos próximos cinco anos, deve ser aprovada somente no dia 7 de dezembro, disse em entrevista à Rádio Capital FM 101,9 o presidente da Assembleia Legislativa (AL), deputado Eduardo Botelho (PSB), que desde o domingo (12) atua como governador em exercício de Mato Grosso.

 

A data, que contraria o próprio cronograma do presidente do Legislativo, é por conta das mudanças que ocorreram no texto com o substitutivo integral que exige duas votações e, assim, a PEC terá ser votada novamente em primeiro turno.

 

Segundo Botelho, agora a proposta não será mais votada a tempo de ser apresentada ao Secretaria do Tesouro Nacional (STN) para Mato Grosso fazer parte do Plano de Auxílio aos Estados e medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal do presidente Michel Temer (PMDB) que vão possibilitar ao Estado a renegociação da dívida com a União.

 

Ele já conversou com o secretário estadual de Fazenda, Gustavo de Oliveira, sobre esse atraso e o governo deve tentar ampliar um pouco esse prazo junto ao Governo Federal. Mas, a deputada Janaina Riva (PMDB) disse em entrevista ao Jornal da Capital, da Rádio Capital, que não sabe porque estão falando que vão perder o prazo que na verdade seria até fim de dezembro.

 

Com lembrou o presidente, a PEC está pronta para ser votada e se o presidente em exercício, deputado Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), pôr na pauta na sessão desta terça-feira (14) pode ser aprovada então em primeira votação.

 

O substitutivo à PEC do Teto foi aprovado pela Comissão Especial, da qual faz parte a deputada que defendeu que a mudança foi necessária para garantir os direitos doa servidores e também da população como o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA), progressão de carreiras na área da Saúde e Educação, e retirada da proibição de realizar concursos públicos.

 

 

 

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Morre cinegrafista da velha guarda da imprensa local

Prefeita de Sinop se afastará do cargo em março

Arthur Virgílio desiste das prévias e critica Alckmin

Toffoli entrega voto do "foro privilegiado" no próximo mês

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Carlos Fávaro é uma confusão política ambulante

VEJA MAIS

ARTIGOS

Hospital Julio Müller

Por: ALFREDO MENEZES

Mudanças sim! Conformismo não!

Por: JUNIOR MACAGNAM

Truco

Por: EDUARDO PÓVOAS
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Ladrões levam celulares e alianças de jogadores na Arena Pantanal
  2. Silval revela que 7 deputados fizeram extorsão por acordo na AL
  3. Concessionárias elevam preços, mesmo sem cumprir contratos
  4. Blairo Maggi anuncia nesta segunda-feira se vai ou não disputar eleições
  5. Ex-governador vira conselheiro e afirma: não compensa errar

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL