13 de Dezembro DE 2017 | SOBRE ESTE BLOG
Quinta-Feira, 07 de Dezembro de 2017, 13h:43
Tamanho do texto A- A+

Política / STF

Marco Aurélio tira irmã de Aécio da prisão domiciliar e da tornozeleira

Decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal vale para Frederico Pacheco, primo do tucano, e também para o ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima
DO ESTADÃO

 

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, tirou da prisão domiciliar e também a tornozeleira eletrônica de Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG). A decisão alcança o primo do tucano Frederico Pacheco, o Fred, e o ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima, do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).

 

Andrea Neves, Fred e Mendherson haviam sido presos preventivamente em maio pela Operação Patmos por suspeita de envolvimento na propina de R$ 2 milhões do grupo JBS para o irmão dela. Em junho, a 1ª Turma do Supremo converteu a custódia em domiciliar com medidas cautelares, como a proibição de se comunicarem com os demais investigados, proibição de se ausentarem sem autorização judicial, entrega dos passaportes e a imposição de monitoramento eletrônico por meio de tornozeleiras.

 

Ao STF, Mendherson alegou excesso de prazo da custódia preventiva, que já perduraria por 183 dias. Frederico Pacheco, por sua vez, apontou excesso de prazo na prisão domiciliar, que se estenderia por mais de seis meses, sem que se tenha instaurado o processo-crime. Frederico também alegou às autoridades a necessidade de trabalhar e de comparecer a uma fazenda na região do município João Pinheiro (MG), onde se dedica a “empreendimentos florestais, cafeicultura e loteamentos urbanos”.

 

Marco Aurélio decidiu afastar todas as medidas cautelares aplicadas ao trio.

 

“Tem-se medidas a revelarem constrições projetadas no tempo, incluindo o recolhimento domiciliar, o qual ganha contornos de prisão mitigada. A par desse dado, verifica-se que a denúncia, quanto aos requerentes, ficou restrita à corrupção passiva em coautoria”, escreveu Marco Aurélio Mello em sua decisão, assinada no último sábado (2).

 

“Afasto as medidas implementadas. Devem os requerentes indicar as residências detidas – caso ainda não o tenham feito –, nelas permanecendo, informar eventual transferência, atender aos chamamentos judiciais e adotar a postura que se aguarda do homem médio, integrado à sociedade”, decidiu o ministro.

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Ibope aponta aprovação de 80% da prefeita Lucimar Campos

Por 16 votos, Câmara de Cuiabá aprova recriação da SEC 300

Governador é diagnosticado com pneumonia pela quarta vez

Dilma visita Cristina Kirchner após Justiça pedir prisão dela

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Vereadores se colocam como servidores públicos: não são!

VEJA MAIS

ARTIGOS

Este país é uma piada

Por: RENATO NERY

Viciados em telas azuis

Por: MARIA AUGUSTA RIBEIRO

Brutalidade criminal

Por: PERCIVAL PUGGINA
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Avião que desapareceu no sábado na região de Juruena é localizado
  2. FAB confirma que avião é o que desapareceu e ocupantes estão mortos
  3. Tucanos preocupados com rejeição de Pedro Taques
  4. Mauro Mendes descarta Senado e só será candidato se for ao governo
  5. Depois da fraude na SEDUC e da ata para o Senado, Pedro Taques é acusado de fraudar entrevista

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL